Reintegração de posse em Campo do Meio é suspensa

O desembargador Marcos Henrique Caldeira Brant aceitou nesta sexta-feira (30) o agravo que solicita a suspensão da ação de reintegração de posse na área da antiga fazenda Ariadnópolis. O local foi ocupado em 1998, após a falência da usina com R$ 300 milhões de dívidas, e hoje abriga 450 famílias, muitas delas de ex-trabalhadores da usina.

Os moradores dos 11 acampamentos possuem hoje 1,7 milhões de pés de café, e produzem a marca de café Guaií, comercializada no Sul de Minas e em São Paulo. O principal interessado na área é João Faria da Silva, considerado maior produtor de café do mundo.

A decisão do desembargador suspende o pedido de reintegração de posse emitido no dia 7 de novembro pelo juiz Walter Zwicker Esbaille Júnior. O processo segue agora para uma das turmas do TJMG. O relator definirá se mantém a decisão proferida pelo Desembargador Marcos Henrique Caldeira Brant.

8 comentários em “Reintegração de posse em Campo do Meio é suspensa

  • 1 de dezembro de 2018 em 15:16
    Permalink

    Fico muito feliz com essa vitória do movimento dos agricultores. Tenho feito campanha em defesa da ocupação e parabenizo a luta de todos e todas, além do apoio da Universidade Federal de Alfenas.

    Resposta
  • 1 de dezembro de 2018 em 15:51
    Permalink

    Todo apoio aos trabalhadores rurais sem terra.

    Resposta
  • 1 de dezembro de 2018 em 17:55
    Permalink

    Hoje lá em Passos esta tendo uma feira do que é produzido pelos acampados só não fui porque fiquei inseguro devido a chuva que estava caindo, quero oferecer meus préstimos para essa moçada,no PRONAF e no licenciamento ambiental.

    Resposta
  • 1 de dezembro de 2018 em 20:02
    Permalink

    Maravilhos a essa notícia! Que fiquem com suas terras pra sempre e as cultivem para o bem de nós todos.

    Resposta
  • 1 de dezembro de 2018 em 20:33
    Permalink

    Esse é o caminho. Estou extremamente fe liz como se tivesse lutado perto de todos os q vivem em Campo do Meio e foram difamados de uma forma cínica e covarde, além de ameaçados de perderem o que conseguiram com garra reconstruir.
    Nesse momento de dor no e pelo meu país meu único alento é q tudo isso fortaleceu nossos laços de solidariedade.
    É por isso q ainda me mantenho em pé e com esperança.
    Esperança não em um bom governo, mas q protegeremos uns aos outros em qq adversidade.

    Resposta
  • 2 de dezembro de 2018 em 14:37
    Permalink

    Parabéns e força aos trabalhadores q só querem terra para plantar. Divulgamos e apoiamos a luta justa das famílias! Ficaremos atentos à Justiça. O desembargador Brandt foi justo! Tomara q os outros tbem sejam. Resistir sempre!

    Resposta
  • 2 de dezembro de 2018 em 17:56
    Permalink

    Juntos temos força ! Terra p quem quer produzir ! Não vamos largar nossas mãos

    Resposta
  • 3 de dezembro de 2018 em 17:55
    Permalink

    Com união temos força, que reforçada pela fé na luta nos mobiliza. Que a vitória definitiva esteja perto.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *