A hora e a vez de Caldas

Por Lila Almendra, Talita do Lago e Daniel Tygel

No dia 5 de junho deste ano, conseguimos coletivamente dar uma virada central na história de Caldas, ao pacificar e superar o maior conflito socioambiental da região através da revogação das alterações no artigo 51 da Lei da APA e da Lei Orgânica Municipal.

Superado este impasse, a pergunta imediata que fica é: E agora?

Esta é a hora de construir uma agenda de desenvolvimento sustentável para a nossa região. É a hora de Caldas se reconciliar com o seu futuro e suas vocações tradicionais, sua rica cultura, que têm sido deixados de lado há mais de 30 anos, em grande parte em função do avanço parasitário da mineração no município.

E o que é uma vocação senão o próprio coração da cidade? Não se trata, portanto, de atividade predatória oportunista ou imposta às cidadãs e cidadãos, mas daquilo que integra o modo de vida do caldense há mais de dois séculos: um modo de vida estreitamente ligado à roça e à natureza. CALDAS PRECISA DE UM PROJETO DE FUTURO. Um futuro alicerçado na sua história, na preservação ambiental e cultural, e em suas grandes potencialidades.

Apontamos, aqui, três pilares que podem embasar este projeto de futuro:

1. TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA

Trata-se do turismo que acontece a partir da participação das comunidades rurais e urbanas e promove a apreciação da natureza e da cultura sem degradação, de modo a fomentar o desenvolvimento, a distribuição de renda e as oportunidades de trabalho em mais de 40 setores econômicos da região – conforme estudos em outros municípios brasileiros que apostaram nesta via.

Para apoiar a superação deste desafio, o Núcleo de Turismo Comunitário da Aliança em Prol da APA da Pedra Branca, em parceria com a Prefeitura Municipal de Caldas, lançou recentemente a iniciativa Visite Caldas, que visa a incentivar e articular as ações de turismo de base comunitária na região.

A Aliança também submeteu à Câmara Municipal um Projeto de Lei que cria o Parque Natural Municipal André Regnell, para organizar o turismo ao pico da Pedra Branca com base na comunidade local e no respeito a este patrimônio mundial.

2. PRODUÇÃO SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DE ALIMENTOS PELA AGRICULTURA FAMILIAR

Trata-se de produção agrícola através da união de técnicas tradicionais e de novas tecnologias, práticas de agroecologia, agricultura orgânica, permacultura, agrofloresta e biodinâmica – união esta que permite a produção e o consumo de alimentos sem veneno nem transgênicos.

Segundo estudos atuais, a produção saudável de alimentos é um dos setores econômicos que mais cresce no mundo, pela necessidade de melhorar a saúde humana e o cuidado com o meio ambiente. Esta é a tendência da agricultura de hoje e que garante um futuro possível da humanidade: uma atividade produtiva que gere alimentos e também cuide da terra, dos animais e dos seres humanos.

O Núcleo de Agroecologia Araucária Viva, da Aliança em Prol da APA da Pedra Branca, tem atuado nesta área, e hoje integra, como um dos núcleos, a Orgânicos Sul de Minas. O Núcleo promove encontros, mutirões e seminários a fim de estimular a transição agroecológica localmente, além de organizar um grupo de consumo de produtos orgânicos agroecológicos, que cresce a cada dia.

O Núcleo Araucária viva também apresentará à prefeitura de Caldas uma proposta de ação de conscientização sobre os impactos do uso de agrotóxicos para quem aplica e para quem consome os produtos, buscando alcançar metas de redução do uso de agrotóxicos na nossa região através da discussão e criação de uma Lei Municipal que crie um Programa de redução do uso de agrotóxicos e estímulo à agricultura orgânica agroecológica.

3. CULTURA POPULAR E TRADIÇÕES LOCAIS

Nossa região é rica em cultura: As serestas, a folia, as músicas de viola entre outras expressões artísticas, que contam com expoentes locais e nacionais na nossa região; A tradição do troca-dia, ou mutirão, nas relações das comunidades rurais; O artesanato de palha de milho; A produção artesanal de vinho folha de figo, a canjiquinha, os biscoitos e demais delícias da culinária típica caldense; A tradição indígena que traz a força da comunidade e da espiritualidade na reverência à mãe terra.

A Casa da Cultura tem promovido diversas ações neste sentido, e o Núcleo de Cultura Popular da Aliança em Prol da APA da Pedra Branca tem fomentado oficinas, shows e espetáculos, dentre os quais vale destacar o Festival Pedra Branca de Violas e Sonhos, na Capela Santa Bárbara no Bairro da Pedra Branca, um verdadeiro sucesso que terá sua segunda edição neste dia 7 de setembro de 2019, o dia inteiro.

É POSSÍVEL – BASTA CORAGEM, AMOR E UNIÃO

As atividades e projetos citados nos três pilares acima – e muitos outros – devem receber investimentos a fim de que se expandam em todo o seu potencial e força, garantindo assim um desenvolvimento sustentável, que ofereça qualidade de vida para quem aqui mora e encante aqueles que nos visitem.

Basta querer. Basta acreditar. Basta planejar, sonhar e colocar mãos à obra, com criatividade e coletivamente. Precisamos apontar o futuro. Hoje, nossa região está vazia de projetos de futuro, que são fundamentais para garantir saúde e bem-estar à população, além da manutenção de uma sabedoria secular, que é o que temos de mais valioso, um bem imaterial que só será preservado se assim desejarmos.

Agora é a hora e a vez de Caldas. Não deixe esta oportunidade passar: Participe desta construção de um futuro brilhante. Precisamos de sua coragem, alegria e muito amor à vida, à natureza e ao próximo.

“Se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova.” Mahatma Gandhi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *